Screening para Pré-eclâmpsia no 1º trimestre de gestação


12.06.24
Triagem precoce com PlGF and PAPP-A para a melhor redução de risco.

A pré-eclâmpsia é uma complicação da gravidez que pode afetar de 2% a 8% das gestantes. Seus sintomas se apresentam a partir da 20ª semana de gestação, e a condição cursa com significativa morbi-mortalidade materno-fetal.

As principais complicações maternas da pré-eclâmpsia são a síndrome HELLP e a evolução para a eclâmpsia. Além disso, mulheres com histórico de pré-eclâmpsia apresentam risco cardiovascular 3 a 4 vezes maior, podendo ser ainda maior quando o seu início se dá antes de 34 semanas de gestação.

A pré-eclâmpsia também pode causar graves complicações ao feto, como prematuridade, baixo crescimento intrauterino, displasia broncopulmonar, e morte fetal.

O desequilíbrio entre fatores pro-angiogênicos (PlGF) e anti-angiogênicos (sFlt-1) é um fator-chave para o desenvolvimento da pré-eclâmpsia, e eclâmpsia.

Observa-se a partir da 11ª semana uma significativa redução de PlGF em mulheres que irão desenvolver pré-eclâmpsia, em comparação com o grupo controle de gestações sem complicações.

Os fatores de risco clínicos clássicos são capazes de predizer somente em torno de 30% dos casos de pré-eclâmpsia:

• História familiar materna e paterna

• Gestação prévia com pré-eclâmpsia

• Gestação Múltipla

• Idade Materna > 40 anos

• Obesidade (IMC > 30)

• Hipertensão, Diabetes mellitus ou doença renal pré-existente

• Inflamação sistêmica

• Etnia (africana e sul asiática)

Uma abordagem de triagem combinando algumas variáveis em um algoritmo de risco, incluindo dosagens séricas de alta sensibilidade de PlGF e PAPP-A, é capaz de identificar, já no primeiro trimestre, mulheres sob alto risco de desenvolverem pré-eclâmpsia, e pré-eclâmpsia pré-termo, com taxa de detecção de 90% e de falsos-positivos de 5%.

Fatores aplicados no algoritmo de risco de desenvolvimento de pré-eclâmpsia:

• dosagens séricas maternas de PAPP-A e PlGF no período de 11+0 a 13+6 semanas de gestação

• características maternas

• índice de pulsatilidade da artéria uterina (UtA-PI)

• pressão arterial média

A identificação precoce das gestações sob alto risco permite a intensificação, guiada pelo risco, do monitoramento materno-fetal e a introdução de terapêuticas que reduzem significativamente a prevalência da pré-eclâmpsia.

O estudo ASPRE demonstrou que o uso de baixas doses de aspirina (150 mg/dia), iniciado antes da 16ª semana, em mulheres com alto risco identificado entre as semanas 11+0 and 13+6, resultou em uma redução de 82% na prevalência da pré-eclâmpsia de início precoce (menos de 34 semanas) e de 62% da pré-eclâmpsia em geral (menos de 37 semanas).

Serviço de Assessoria ao Médico (SAM)

Visando oferecer um suporte personalizado e eficiente para todas as suas necessidades, disponibilizamos canais diretos e exclusivos para o colega médico, onde é possível tanto realizar solicitações, notificações de urgência, auxílio no acesso a resultados de exames, bem como para discussões de casos e resultados com nossa equipe médica e demais profissionais da saúde.

(21) 3184-3131

(21) 99231-4407

Atendimento WhatsApp: Para acesso, escolha a opção número 1

E-mail: sam@richet.com.br

Dra. Monica Di Calafiori Freire
Gerente de Relacionamento Médico
CRM 52.61687-2
Medicina Interna e Intensiva  MBA em Gestão em Saúde pela COPPEAD-UFRJ Mestre em Ciências Cardiovasculares pela UFF  Doutoranda em Ciências Médicas pela UERJ
Dr. Helio Magarinos
Diretor Médico
CRM 52.47173-0
Diretor do Richet Medicina & Diagnóstico, Helio Magarinos Torres Filho é Médico formado pela Universidade Federal Fluminense, especializado em Patologia Clínica e Medicina Laboratorial e possui MBA em Gestão de Negócios pelo IBMEC. Helio Magarinos também é Membro da Sociedade Brasileira de Patologia Clinica (SBPC), da American Association for Clinical Chemistry (AACC), da American Society for Microbiology (ASM), da American Molecular Pathology (AMP) e da European Society for Microbiology and Infectious Diseases (ESCMID).
CONFIRA

Assuntos relacionados